15 outubro 2016

Duas tapiocas e uma crepioca

Hoje eu acordei sem querer, meio acordada meio dormindo, tomei meu remédio de setes horas da manhã, e voltei pra dormir mais um pouco. Mais tarde, umas doze horas - afinal é fim de semana e dormi tarde -, acordei novamente, dessa vez definitivamente, toda dolorida, prevendo que o dia seria difícil e doído em todos os sentidos.

As horas passaram de um jeito maravilhoso, só que ao contrário: não arredei o pé da mesa de estudos, apenas pra fazer o almoço (e que amoço!) e rapidamente voltei pros livros, porque essa semana tem um monte de provas e eu só queria férias. E claro que, como pessoa ultrarresponsável que não sou, os assuntos não estão em dia e to aqui morrendo e matando pra dar conta de tanta coisa, mas né vida que segue. A questão aqui não é essa. 

Encurtando um pouco a história e poupando a todos dos detalhes sórdidos e emocionantes do meu sábado, quase agora fiquei com fome e já estava saturada de tanto estudar, ou seja, seria uma boa hora pra ter um intervalo.

Voltando um pouco no tempo, quinta-feira fui no mercado fazer umas compras, o caso estava sério aqui em casa, não tinha mais nada pra comer e, como sempre, fui com uma amiga no intervalo entre aulas (porque qualquer tempinho é válido). (Já disse que amo fazer compras no mercado? Sim, amo) Lá, me deparei com massa de tapioca (amo tapioca), só que nunca fiz na vida, comentei com a miga e ela me disse pra ter vergonha na cara e comprar a massa porque "tapioca é muito fácil de fazer". Então fui né, comprei. Cheguei em casa, olhei a massa, guardei na geladeira, esqueci dela e hoje fiquei com vontade de me aventurar e tentar fazer.

Nesse intervalo mara entre estudos, fome, comida, fazer jantar etc, peguei a massa de tapioca. Olhei, olhei de novo, tirei da geladeira junto com presunto e requeijão (sem lactose) e fui fazer. Como nada na vida dessa que vos fala é simples e etc, já fui prevenida de como deveria fazer a bendita com instruções da miga do mercado.

Peneirei 4 colheres de sopa da massa.
Esquentei a panela antiaderente (fiquei em dúvida se deveria colocar manteiga ou o que mas n coloquei nada no fim das contas)
Joguei a massa de modo aleatório (ficaram uns buracos no meio, tentei ajeitar mas n consegui e desisti)
Coloquei presunto e requeijão e dobrei
Tirei do fogão e mordi (Delícia!!!!)
Quis outra.
Repeti todo o processo, mas agora mais profissionalmente e sem buracos na massa (Delícia de novo!!!)
Resolvi ousar mais um pouco.
Crepioca!!!
Juntei a massa temperada com 1 ovo, coloquei sal (não sabia se devia mas coloquei mesmo assim)
Joguei na panela, coloquei cebola, presunto, dobrei e Puf

Fui sentar na mesa com minha crepioca, enquanto observava o horizonte ao longe - pela varanda - e tomava meu nescau (zero lactose também!!) e dei a primeira mordida. DELÍCIA!!!!
E foi aí que eu me emocionei com toda a beleza desse momento, sabe como é? Tem uns segundos, minutos que batem forte na nossa face e mostram certas coisas que nos dizem que a vida é muito bela; coisas aleatórias, como fazer uma tapioca e/ou crepioca pela primeira vez na vida, sentada em uma cidade distante, sozinha, vivendo a vida. Depois de um dia cansativo, trabalhoso, apenas sentar e saborear algo que fiz pela primeira vez, a massa que comprei no mercado que fui, onde faço minhas compras sempre, escolho minhas verduras, frutas, o que comer, onde estacionar o carrinho, quantos pães cabem no orçamento e por aí vai.

Gosto dessa coisa tímida de apenas ser e viver, sabe? Meu dia poderia ter sido como qualquer outro, mas eu escolhi fazer uma tapioca pela primeira vez e isso mudou a minha vida, pelo menos um tiquinho. (Saudade daqui)






4 comentários:

  1. acho que são nessas pequenas coisas que somos felizes de verdade!
    e o mais importante: somos felizes sozinhos e com nossas próprias decisões! isso é uma delicia <3

    (Já vou fazer uma crepioca logo que chegar em casa <3)

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Bia, compartilha uma coisa com outra universitária - a qual se identificou tanto com as idas ao mercado, os atrasos na matéria e os almoços feitos - qual a marca da tapioca?

    Um abraço, menina ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, sinceramente não sei a marca, só sei que foi a mais barata porque essa é minha vida de dona de casa. Compra a mais barata também, testa, aproveita! Beijos

      Excluir