28 setembro 2015

Minha amiga,


Te escrevo do futuro. Não muito distante, mas distante o bastante para não sermos mais como éramos antes. A gente cresce, né? Cada batida do relógio marca uma mudança, um recomeço, milhares de células morrendo e outras nascendo. Essa é a vida, um constante caminho de coisas que chegam, passam e se vão. 

Te escrevo pra dizer que sinto saudades do que éramos, de como éramos e o que vivemos juntas. Te escrevo porque não sei te falar, a não ser por palavras soletradas, arrancadas e quase que desenhadas aquilo que está guardado em mim. Não estou triste, não, jamais. É impossível relembrar dos momentos que vivemos sem ter um sorriso no rosto, é impossível não lembrar das vezes que estivemos juntas, nos apoiando e crescendo. 

Não é dor o que sinto, é saudade do tempo em que éramos eu e você e isso bastava. Mas o tempo passa e crescemos, mudamos e percebemos que algumas coisas simplesmente não se encaixam mais. Sem dor, sem sofrimento. No máximo, saudade e a vontade de deixar tudo igual. Mas não dá, nem eu sou o que era e nem tu és. Somos pessoas diferentes buscando coisas diferentes e isso é normal. Repito, é a vida: "Tem gente que chega pra ficar, tem gente que vai" 

Talvez, naqueles anos, em todas as vezes que sorrimos ao nos entendermos com o olhar, todas as vezes que estivemos uma ao lado da outra, rindo, chorando, cantando e dançando, estivemos únicas, infinitas em nosso limitado infinito. E que infinito!  Nunca fomos tão felizes e completas, uma ao lado da outra rodeadas por amor e cumplicidade.

Te agradeço, portanto, por me deixar ser eu e por ser você, apesar desse sentimento no fundo de perda, de deixar coisas tão boas pra trás. Somos nós, diferentes, mudadas e crescidas. Não há vergonha nisso, não há dor em crescer e não pertencer a determinadas coisas ou pessoas. Às vezes dói, confesso, afinal fomos e somos especiais na vida uma da outra. Mas somos tão especiais que percebemos a hora de deixar ir, deixar uma e outra seguir seu próprio caminho. Obrigada por ser tão minha amiga até nesse momento, obrigada por me apoiar em me tornar quem eu sou, hoje, completamente diferente do que era. 

Obrigada por não desistir nem de mim nem de ti. Não há amor maior do que aquele que compreende, e você me compreendeu e te compreendi. Amo cada coisa que fomos, cada coisa que tivemos, cada momento que passou, mas amo mais ainda quem eu sou e quem tu és hoje. Obrigada, novamente, por isso. Te amo e tu sempre fará parte de mim.

Com amor.





10 comentários:

  1. Oi Beatriz!
    Primeiro quero te agradecer MUITO pelo comentário lá no Prato, foi muito bom ler tudo que escreveu e me fez um bem imenso. De pitanga em pitanga o blogue vai se formando e eu espero ter bastante ainda. hehe
    Ao longo dos meus 24 anos, muitas amigas foram deixadas pra trás - infelizmente - ou me deixaram, vai saber. A vida, ela acontece de uma maneira que a gente não pode evitar e os caminhos nos levam para lugares totalmente opostos aos daqueles que a gente jurou nunca se separar. É tão triste esse tipo de coisa, de carta. Mas é sempre bom saber que o que fica - na maioria das vezes - é um punhado de coisa boa que aconteceu antes e que isso, nenhuma distância jamais apaga.

    Beijo enorme, Ana.

    ResponderExcluir
  2. Ai Beatriz, que coisa mais linda (e um pouco triste). :(

    http://naomemandeflores.com

    ResponderExcluir
  3. Eu tenho invejinha de que tem amigos de 10 e 15 anos pois tenho dificuldade de preservar amigos,,, Sei lá, nós mudamos o tempo todo e toda hora não tem como não querer mudar e os amigos mudam junto.

    http://ladomilla.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Que lindo, Beatriz! ♥

    Infelizmente não conseguimos manter todos os amigos ao nosso redor, a vida acontece, os caminhos bifurcam e temos que deixá-los ir. Alguns ainda são mais persistentes e ficam, mas outros precisam voar por outros céus, e acho que nada é tão bonito quanto entender que isso não é desamor, é só a vida. Tenho amigos antigos, da 3ª série por exemplo, mas alguns simplesmente precisaram ir. E tudo bem, também. Guardo comigo todos os bons momentos e isso tem que ser suficiente. =)

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  5. deixa de frescura e libera esses comentários

    ResponderExcluir
  6. Fiquei um bom tempo encarando a aba dos comentários porque falar de relações entre amigos é sempre muito delicado. Penso que a gente não pode esquecer que o outro não é uma extensão da gente, não pode viver de acordo com as nossas expectativas e do que consideramos certo e errado e que, por isso, muitas vezes, não faz sentido nenhum a frase "nossa, você mudou". Estranho seria esperar o contrário e aceitar o contrário. Li em algum lugar: quem não se melhora piora o mundo. Isso não significa que os amigos perderão seu lugar cativo. As vezes as coisas só se reorganizam dentro da gente e certas ordens se invertem. Dizem que é a beleza da vida..

    =)

    Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Descreveu taaaaaaaaaaanto o que eu sinto pela minha ex melhor amiga que to aqui curtindo uma pequena bad :(

    Novembro Inconstante

    ResponderExcluir
  8. Gostei muito do texto! Inspirou-me a enviar uma carta para um vento distante.
    Obrigada doce alma.

    <3

    ResponderExcluir