28 agosto 2015

28/31 - Resumo do mês: Livros e filmes

Eu deveria estar, nesse exato momento, resolvendo milhares de questões de matemática, como uma boa operária desse fordismo educacional brasileiro. Mas como fazer questões simplórias quando me dou conta de que faltam 3 dias para o término desse que ninguém aguenta mais, o beda? Pois é. Por isso, aqui estou, em mais uma tentativa de post, porque convenhamos, esse mês foi cheio de tentativas e tiveram dias que não aguentei mesmo encarar essa tela em branco, mas outros que vê-la aqui foi um alívio, porém, em sua maioria, esse agosto, tão mal falado por todos, foi cheio dessa coisa louca de me arriscar e cair sem paraquedas numa coisa tão sofrida e tão louca que chega a ser sensacional. Mas enfim, já falei por aqui o que achei desse beda, prematuramente talvez, como tudo na minha vida, mas já falei e não falarei de novo, sorry not sorry.

Hoje resolvi fazer um resuminho do mês, já pode isso? (Olha, ouvi falar que dia 31 tem blog day, mas e seu disser que não sei o que cargas d'agua é isso? Desconfio que seja algo pra indicar os migus blogs da vida. Aguardemos. Espero que não seja resuminho, porque aí não sei o que vou fazer)

(Espero sinceramente que dessa vez o filmow esteja funcionando, porque olha toda vez que tento fazer post com filme esse troço sai do ar. Coincidência? acho que não)

Livros do mês 


Incrível como esse mês foi produtivo, esse beda (vontade de criar outro nome pro tanto de abuso que to dessa palavra) fez milagres na minha vida, acho que li uns 3 livros nesse mês e terminei um que havia muito tempo eu estava lendo.



Isla e o final feliz

Já sabia antes mesmo de começar a ler que ia amar. Conta a história de Isla, uma garota que estuda num colégio interno na França (a mesma de Anna e Étienne) e numa noite qualquer encontra com um dos amigos de Étienne numa cafeteria e ela, muito fora de si cheia de analgésicos na veia, puxa conversa. Como ela é muito tímida, essa foi a única interação entre ela e o boy, por quem ela já nutre sentimentos há três anos. E pronto, a partir daí fica tudo maravilhoso e ótimo.
Como todos os livros da Stephanie, é aquele livro pra suspirar, pra se desligar um pouco da vida e viver um pouco uma vida tão boa e tão mágica. Gostei bastante, não é meu preferido da "série não série", mas é bem bom e cumpriu aquilo que eu estava buscando: calor no coração.




Vivian contra o apocalipse

Fazia um tempo que queria esse livro, porque tenho uma certa inclinação para coisas ligadas a apocalipse e coisas extraordinárias, então quando a Saraiva entrou em promoção aproveitei. Conta a história de uma sociedade que é inundada por uma teoria de fim dos tempos que um religioso espalha por meio mundo. O mundo fica doido, as pessoas com medo de "serem deixadas pra trás" e toda uma indústria se forma a partir dessa crença. No dia combinado para o apocalipse, alguns crentes da religião somem, inclusive os pais de Vivian. E ela se vê em um mundo que virou de cabeça pra baixo, com pessoas se achando injustiçadas por não terem sido arrebatadas e sem seus pais. Um verdadeiro inferno.
O livro é bom, tem umas críticas bem legais e dá pra se divertir e refletir ao mesmo tempo. Gostei também do crescimento da personagem, que se transformou sozinha e por ela mesma, não por nenhum boy ou coisa parecida, como a gente ta acostumado de ver por aí. Gostei bastante, ele termina com um gostinho de quero mais e vou ler sim a continuação.


Palácio de inverno


Não sei o que sempre aconteceu, mas nunca estudei direito a Revolução Russa, mas sempre tive uma curiosidade enorme pra entender um pouco dessa história. E o livro fala um pouco disso ao misturar esse contexto com ficção. Gostei que ele não é linear, em cada capítulo temos flashes de toda a vida do protagonista, intercalando o presente e o passado. Amei ver também o outro lado da história da Dinastia Romanov, última antes da Revolução, como eles eram pessoas, tinham sentimentos e, novamente, eram humanas. Apesar de toda miséria que o governo deles provocou, nos apegamos aos personagens e sofremos com eles. O personagem principal é bem interessante, fiquei com raiva dele algumas vezes, mas ele, também, se mostrava muito humano através de seus erros. Amei o final de paixão, pro meio do livro já tinha suspeitas de como seria o fim, mas foi muito bom chegar lá e perceber como as coisas aconteceram. Muito bom mesmo, vale a pena.


A garota que perseguiu a lua



Esse livro foi uma grata surpresa. Já havia ouvido falar dele com a Mari do Psychobooks e assim que o encontrei no plus do skoob, solicitei. Comecei a ler sem expectativas e amei. Ele conta a história de uma garota que volta a cidade natal de sua mãe, depois que ela morre, para morar com seu avô. Nessa cidade, ela descobre que a reputação de sua mãe a precede e algumas pessoas passam a manter distância dela. Ela começa a descobrir umas coisas bem loucas e diferentes nesse ar e nas memórias da cidade, ao mesmo tempo que se aproxima de um boy que é da família "inimiga" de sua falecida mãe. Nesse ínterim, o livro também conta a história de Julia, mulher que se mudou há anos da cidade, mas está lá por um tempo determinado para cuidar da churrascaria de seu falecido pai. Assim que conseguir pagar as contas, seu plano é sair permanentemente da cidade, mas ela tem muitos assuntos mal resolvidos por lá, então as coisas não serão tão simples assim.

O livro é bem bom, sério, terminei de ler querendo um pouco mais, fiquei bem triste quando ele terminou, apesar de o final ter sido muito bom. Queria lê-lo de novo pela primeira vez.





Filmes

Não ia falar dos filmes que assisti, porque achei que tinham sido muitos, mas me dei conta que nem foram, por incrível que pareça. Parece que tirei esse mês pra assistir séries, escrever e ler livros. Então não sobrou muito tempo pra assistir filmes. Os que restaram desse mês esquisito foram:


The road within



Estava perambulando pelo popcorn em busca de algo bom para assistir e me deparei com essa foto (pôster ?). Fui pesquisar sobre no filmow e adorei a ideia. Veja bem, são três jovens perturbados que resolvem fazer uma road trip, como eu poderia não gostar?

O filme conta a história de Vincent, que foi internado em uma clínica depois que sua mãe morreu, e seu pai não sabe lidar com a sua síndrome. Lá ele conhece uma garota, Marie, com distúrbios alimentares e Alex, garoto com TOC. Certo dia eles resolvem fugir da clínica, embora Alex tenha sido supostamente "sequestrado" e não esteja nada feliz em participar dessa loucura. A partir daí eles começam a viver várias aventuras e a gente se diverte muito, mas também se emociona. O filme é MUITO BOM, amei mesmo, virou favorito. Amei as cenas, amei as risadas entre toda a carga pesada do filme, os personagens, os atores, os problemas familiares. Amei tudo.



O exótico hotel Marigold


Tinha ouvido falar pela primeira vez desse filme por causa do lançamento do segundo, mas não tinha a mínima ideia do que se tratava. Fui procurar saber sobre a história e descobri que se passava na Índia. Como tenho uma queda pela Índia, nem pestanejei e já fui assistir. Não me arrependi, amei cada segundo.  O filme conta a história de um grupo de aposentados que resolve investir a sua aposentadoria em um Hotel na Índia, atraídos por um anúncio maravilhoso falando todas as qualidades do hotel. Porém, ao chegarem lá, eles percebem que esse hotel não é lá essas coisas que eles pensaram. A partir daí, eles começam a viver inúmeras experiências que eles não pensaram que ainda poderiam viver. Descobrem coisas, compartilham experiências e se descobrem também.
É um filme muito lindo, muito tocante que nos mostra que nunca é tarde para recomeçar, para amar e para viver. Também amei. Além disso tudo, tem como cenário de fundo a Índia e sua cultura. *-*

A luta por um ideal


Certa tarde, junto com minhã mãe, procurávamos um filme pela Netflix e me deparei com esse. Confesso que vi a Viola e presumi que era bom, e não me enganei.
O filme conta a história de uma mãe que luta por uma educação melhor, mais inclusiva e preparada para receber a sua filha, com dislexia, e tantos outros alunos em um bairro pobre e com alto índice de criminalidade. Juntamente com ela, há uma professora que está cansada do sistema precário que não educa, apenas carrega com a barriga crianças analfabetas e com problemas sérios. Juntas elas começam uma revolução no bairro, nos professores, nos alunos e e todas as pessoas ao redor. É um convite à ação, a ir em busca de melhores condições para a sociedade.
O filme é emocionante e a melhor parte é que ele é baseado em uma história real. Também vale muito a pena assistir, ele consegue renovar nossas esperanças, sabe? Muito bom.



Muito bem acompanhada


Um filme que pensei já ter assistido, mas resolvi arriscar pra ver. E acabou que eu nunca havia assistido, o que foi uma grata surpresa. Sempre tem aquele período do mês que eu preciso de uma comédia romântica água com açúcar pra aquecer meu coração e esse mês, quem desempenhou esse papel foi esse filme.
Ele conta a história de uma mulher que resolve contratar um acompanhante para ir com ela ao casamento de sua irmã mais nova. Como ela sabe que seu ex-noivo estará lá, ela decide que não poderá chegar sozinha, então ela paga aproximadamente 5 mil reais para um cara fingir ser o namorado dela. Mas, caros amigos, sabemos que essa história terá treta e a treta é muito boa, embora eu ache esse ator meio esquisito sorry. Enfim, o filme é muito aquecedor de coração, dá pra suspirar, querer ter um love só pra si, agarrar o travesseiro e depois seguir em frente com a vida. Também amei.




Olha, pra falar a verdade, assisti mais filmes do que esses que aqui estão, uns que gostei mais ou menos, outros que gostei bastante e outros que não gostei. Os que não gostei, não falei porque prefiro falar de coisa que gosto. Os que gostei mais ou menos, fiquei com preguiça. E os que gostei bastante foram: Cada um na sua casa, A 100 passos de um sonho, O exótico hotel Marigold 2 (Mas não chega aos pés do primeiro), A incrível história de Adaline. Foi isso, hasta la vista, baby!





Um comentário:

  1. Eu to me sentindo uma ameba porque não conhecia nenhum desses livrinhos e filminhos, me perdoa e não desiste de mim :(
    O blog day é o dia mundial dos blogs, todo mundo se junta e comemora essa alegria que é escrever na internet \o/

    Novembro Inconstante

    ResponderExcluir