21 agosto 2015

21/31 - Na autoescola da vida, reprovei

Ou: Um pouco de autopiedade, porque esse blog ainda não tem o suficiente
Ou: Provas, pra quê existem? Reforma no mundo das autoescolas e Detran já !!!!!!!!!!!!!!


Adiei o máximo esse momento, não tenho plena certeza do porquê, mas entendo. Já é o terceiro dia que encaro essa tela em branco com muito a falar, mas sem conseguir escrever uma palavra sequer. Sei que isso é meio arrasador, em meados do beda, mas preciso de tempo, preciso de silêncio quando tudo começa a virar de cabeça pra baixo sem que eu perceba. Às vezes não chego a perceber a mudança brusca nas coisas, naquilo que me afetou, mas meu inconsciente sente e então ele só me manda uma mensagem: "Fique sozinha" e quando falo ficar sozinha, falo no sentido mais amplo que pode ser. Ficar sozinha nos meus pensamentos, de gente, do mundo.

Dia desses, no grupo da Jout jout no facebook, colocaram um link de análise da sua personalidade de acordo com cores. Fiz. Por incrível que pareça, e digo isso como cética que sou, ele me escancarou ali, inclusive falou dessa minha habilidade em me esconder quando as coisas não dão muito certo. Enfim, esse não é o foco do post.

Terça-feira fiquei chateada, chorei, tive vontade desistir. Veja bem, acordei de sete horas da manhã, o que já mostra que meu humor não estava dos melhores nesse dia, perambulei pela cidade, pra cima e pra baixo. De tarde fui pro Detran fazer, pela segunda vez, a prova prática pra tirar minha carteira de motorista. Sei que não comentei por aqui quão chata é uma autoescola e como estava tentando virar uma motorista, mas acreditem lhes poupei de uma chateação sem tamanho.



Nunca me animei muito pra dirigir, tenho um medo horrendo de pegar um carro e sair matando as pessoas por aí. Acho muita responsabilidade ter uma carteira que te diga que você é apto pra dirigir uma máquina por aí e a maioria das pessoas não se dá conta disso, elas tratam como algo banal e inofensivo, ou seja, são totalmente irresponsáveis. Quando fui fazer o teste psicotécnico, a médica me perguntou o que eu achava de errado no nosso trânsito e disse exatamente isso, as pessoas não têm a noção do poder que têm e da responsabilidade que vêm com ele. Por isso, demorei bastante pra resolver tirar a carteira, tanto é que tenho 20 anos e ainda não dirijo, mas desde o começo do ano entrei nessa loucura que é vida de teste, autoescola e detran.

Assisti umas aulas bem chatas com um professor bem esquisito, fiz uma prova teórica, comecei as aulas com o carro mesmo. No começo, pensei que aquilo era algum bicho de sete cabeças que não conseguiria domar, mas me dei conta que o babado é mais simples do que parece. Fiz as aulas, demorei um mundo pra marcar a prova prática, fui, reprovei na baliza. Meu mundo caiu, nunca tinha errado a baliza, nem mesmo nas aulas. Fiquei maldizendo os céus por essa ironia e pelo carma da minha vida: não lidar bem com provas e reprovar na maioria delas. Vida que segue, né? Marquei mais duas aulas, um bom tempo depois, Fiz as aulas, me saí muito bem nelas, novamente o instrutor me disse que eu estava 100% pronto. Fui fazer a prova. Reprovei.

Se não fosse trágico, seria cômico, mas eu reprovei porque esqueci de abaixar o freio de mão. Não fiz nem 10 minutos de prova, porque ESQUECI de baixar o freio de mão. Ri de nervoso pela ironia da vida, pela volta do meu carma. Estava tão nervosa que esqueci uma coisa simplória e mais que básica. Não bati nos cones, não bati na baliza, na verdade, nem cheguei nessas partes da prova, porque estanquei milhões logo no começo. E nem me dei conta. Ri com raiva quando o avaliador me disse pra sair do carro, porque eu tinha esquecido o freio de mão. Nem 10 minutos depois estava bradando aos sete ventos que não tenho dom pra dirigir, melhor me deixarem longe dos volantes, dos carros e, pelo visto, da vida. Horas depois, meu pai bate na minha cara figurativamente e me diz que não posso desistir das coisas assim e autopiedade é intolerável, então levanto a cabeça, não desisto e decido que vou fazer mais uma tentativa pros carros. E pra vida.


3 comentários:

  1. Sei bem como é essa história de reprovar na prova prática. Eu fazia tudo perfeito nas aulas, meu professor tinha certeza que eu ia passar, mas chegou na hora caiu uma chuva, eu nunca tinha tido aula na chuva, fiquei nervosa e na hora que eu fui fazer a prova a chuva parou mas ainda estava meio nervosa e acabou que em menos de dois minutos eu perdi tudo. Fui passar a marcha, arranhou. Depois esqueci de ligar a seta, acabou.
    Saí chorando com meu pai que nem uma condenada e até hoje eu não voltei pra aula hahahaha.
    Beijo!
    http://www.deborabp.wordpress.com

    ResponderExcluir
  2. Cada vez que leio algo sobre prova prática meu estômago revira todo só de lembrar! Seria lindo se a prova prática fosse como a teórica e dirigir fosse só acertar respostas e o carro fizesse todo trabalho. Ninguém diz durante as aulas (ou durante a vida) que pra dirigir você precisa de sangue frio. Se eu soubesse que isso fosse pré requisito talvez eu nem tentasse. Agora tô aqui, passei nas provas tudo, tô com a carteira na mão, mas sou bunda mole o suficiente pra sempre dizer: hoje não, outro dia dirijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Reprovei hoje pelo simples Fato de esquecer de abaixa o freio de mão depois de uma baliza perfeita..mélllldeus to tentando me conformar mas no momento só quero fica sozinha

      Excluir