06 agosto 2015

06/31 - Troco likes e muito amor

Não sei se contei por aqui, mas esses meses que se passaram foram repletos de desativações e encheções de saco com redes sociais. Depois de ler a respeito e refletir sobre algumas coisas, fiquei meio enojada com o facebook e afins, mas principalmente com o facebook. Como mnha família já ta cansada de ouvir, vivi e ainda vivo bradando aos sete ventos que aquilo lá é uma pasárgada virtual, onde todos são muito felizes e não tem espaço pra pessoas "fracassadas", infelizes, descontentadas ou simplesmente que estão mal (coisa normal da vida). Tudo é muito fingido, calculado pra mostrar ao outro aquilo que não sou, as pessoas têm milhares de amigos, em sua maioria desconhecidos, que de amigos não têm nada. Tudo são números: quantos amigos, quantas curtidas, quantos eventos.

Tiveram umas vezes que estourei, cansei mesmo dessa fingição (claro que nem todos são assim) e desativei a conta, sempre voltando porque fica mais fácil pra ver a atualização dos sites que sigo. Mas nunca contente com toda aquela superficialidade. Além dele também existem outras redes sociais onde as pessoas estão ávidas pelo "reconhecimento" alheio, pelo número de seguidores e etc, como é o caso do instagram. É como se a gente deixasse de viver pra gente pra viver pros outros, pra postar aquela foto perfeita. 

Com isso ainda em mente, em um dia qualquer, dei de cara com um disco chamado "Troco likes", aquilo já me chamou atenção e quando vi que quem cantava era Tiago Iorc fui correndo baixar pra escutar. E eu simplesmente não parei mais, por isso irei falar um pouco de algumas faixas do cd. Deixando claro que sou péssima pra falar de música, já que não entendo nada, mas sempre tento né? E na dúvida falo de sentimentos. 


Olha essa capa super sugestiva

Alexandria  Foi a segunda do álbum que ouvi, mas a que me instigou a escutar o cd inteiro. Música de abertura do álbum, já mostra pra que veio com a voz do Tiago gostosíssima, com uma letra crítica e, ao mesmo tempo, com uma melodia boa demais pra animar e com esse refrão maravilhoso:

"Gente demais
Com tempo demais
Falando demais
Alto demais

Vamos lá atrás
De um pouco de paz"

Amei te ver Amo tanto essa música, tenho vontade de deitar na rede agarrada com um amorzinho, tipo aquele domingo de preguiça e amor. Pra quem ta de paixonite, essa música ó é belezura, pra quem não ta também é uma. Nossa que coisa mais delícia de ouvir, de imaginar, viajar com. Viajo mesmo ouvindo, me vejo numa praia passeando num fim de tarde, observando o mar, o barulho das ondas, o vento. 

Mil razões Minha gente, eu fico pensando: esse homi tá muito inspirado viu? Aí lembro dele lindo com a Isabelle Drumond e entendo. Também amo essa música, aquece a alma, sabe? dá aquele aconchego e uma vontade enorme de estar tão apaixonada quanto.

Eu errei O que seria esse violão no começo da música? Mais contida, carrega uma paixão meio triste, mas mesmo assim gostosa demais de ouvir, não canso da voz desse moço e do ar acústico: tarde na praia tocando um violão.

"Tempo demais
Pouco vale o tempo se não com você"

De todas as coisas Essa me lembra alguma música que ainda não identifiquei qual, mas é o mesmo estilo: tarde vendo o pôr-do-sol, caminhando na areia, rede balançando no aconchego de um amorzinho manso. 

Coisa linda Foi a primeira que ouvi, logo quando saiu o clipe. Quando ouvi pela primeira vez, não gostei tanto, mas depois de ouvir mais uma vez tive uma vontade enorme que ele estivesse cantando pra mim hahahaha. Nossa, falando isso tudo pra mim, imagina? hahahaha. Acho que quando terminar aqui, vocês irão descobrir que to apaixonada pelo Tiago hehehe. 

Bossa Nossa que letra linda essa, falando que cada um é importante ao seu jeito, únicos no mundo. É um abraço enorme nas nossas esquisitices. E também é meio que uma crítica a uma padronização dos jeitos, dos rostos, das roupas, de tudo; ninguém precisar ser isso ou aquilo só porque outro também o é. 

Cataflor Foi uma das que menos escutei, mas também é muito delícia e as imagens que surgem na mente, um jardim repleto de flores com o sol refletindo nos olhares, aquele mesmo ar de aconchego.

Liberdade ou solidão af esse violino é de matar de amores (amo violino). Uma das minhas preferidas, tem um ar mais introspectivo, de autodescoberta, sobre a vida e como o tempo sempre revela nossos mistérios; não sei muito o que falar sobre, sinceramente, só sei sentir. Sabe quando algo te toca? Então. 

"Livre, pra rir do que é ruim
Então chorar de feliz"

Sol que faltava Essa é justamente aquela crítica sobre como estamos encarando a vida, como vivemos pra nos mostrar num lugar e plano irreal. E nela cabem várias críticas, inclusive essa mania chata de não parar e olhar ao nosso redor, não ver os outros, não respirar fundo e apreciar as coisas que, novamente, estão ao nosso redor. Viver mais o aqui e agora sem precisar espalhar pro mundo. Isso também me lembra um pouco aquela roda de amigos que marcam um encontro e todos ficam no celular, ou aquele show que as pessoas não assistem e nem curtem aquele momento, passam o show inteiro gravando tudo sem parar um minuto pra apenas curtir estar ali. 

"Onde foi, onde foi
A última vez que você se deixou
Livre, sem se retocar
Sem se Instagramear"

Till I'm old and gray Ao contrário dos outros trabalhos de Tiago, esse cd contém, majoritariamente, músicas em português, exceto essa. É uma grata surpresa esse cd todo em português e com letras e melodias tão maravilhosas. Mas essa música em inglês não desaponta, também segue a mesma linha das outras: uma delícia. 


Como vocês puderam perceber, não sei analisar direito músicas, muito menos as que gosto muito. Quando comecei a fazer o post, pensei que teria alguma música que eu não gostava tanto do álbum, mas descobri que não tem uma sequer que não esteja no meu coração. Amei mesmo cada música, cada letra, cada instrumento e sentimento proporcionado. Como gostei muito, quis compartilhar com vocês, quem sabe vocês gostam também né? Enfim, ele vem pra Recife em setembro e to simplesmente louca pra assistir ao show, contando os dias pra poder ouvir toda essa coisa linda ao vivo e a cores.


(Depois me contem o que acharam)

3 comentários:

  1. Ah, a problemática do facebook...
    Vivo nessa relação de amor e ódio com essa rede social porque, como você enumerou muito bem, são vários os motivos pra desanimar qualquer um de entrar naquela telinha azulada repleta de falsidade e ostentação. Me irrita perceber que as pessoas preferem essa "fama" no facebook, com milhares de curtidas, comentários, essas coisas, do que aproveitar, de fato, os momentos. Por outro lado, não conseguiria ficar sem facebook porque, querendo ou não, ele é útil em vários casos. Principalmente quando brotam vídeos de gatinhos no meu feed.

    Com o tempo, fui parando de usar tanto o "face". Entro raramente. Geralmente só quando tem alguma notificação (que nunca é nada relevante, mas né) ou quando preciso procurar algo/alguém. Não sei como eu conseguia passar horas rolando os olhos pelo feed.

    Sobre o CD do Tiago, achei esse nome de uma genialidade ímpar, assim como o repertório. Dei uma escutada em algumas músicas que mais me chamaram a atenção pelo nome ou pelos seus comentários e já tô, ó, xonada.

    Acho que a única que eu já conhecia dessa lista é "Alexandria", mas tô viciando nas outras também!

    ResponderExcluir
  2. Não acompanho o trabalho do Tiago Iorc, mas devo concordar que ando meio de saco cheio dessa vibe "vida perfeita" das pessoas. Facebook então, tenho ficado o mínimo de tempo possível. Detox total.

    Vou ouvir o CD!

    ResponderExcluir
  3. amo Tiago Iorc as letras são divinas, apaixonantes, e realmente as redes sociais ta uma grande confusão de um lado uma galera que fala que ta feliz demais do outro uma galera que odeia tudo, e no meio quem quem mudar de verdade, quem quer fazer a diferença e assim vamos caminhando, tropeçando e filosofando pra quem né ?!

    beijos.

    ResponderExcluir