22 maio 2015

Sobre empatia e o dever de não se calar

Faz um tempo que ando incomodada com umas coisas, na verdade, com uma coisa só, em resumo: a ignorância. Já faz um tempinho que to querendo tocar nesse assunto novamente, por motivos de força maior (gente meio sem noção falando besteira a torto), mas sempre acho que falta algo, que tem gente mais incrível, gabaritada e etc pra falar sobre isso, mas resolvi recentemente que não posso me calar em frente a babaquices mesmo sendo eu. (Não sou dona da verdade, tenho muitos defeitos e não sou - nem de perto- especialista no assunto.) Esclareçamos os fatos:

Recentemente, saiu uma matéria falando que a Marvel trocou a Viúva Negra pelo Capitão América em "um brinquedo" - não sei qual o termo certo - que retratava uma cena em que, claramente, a Viúva Negra protagonizava e não o Capitão. Por isso, surgiram várias pessoas reclamando da falta de representatividade das mulheres em quadrinhos e etc e, de outro lado, vi gente falando que tudo que essas primeiras falavam era mimimi.

PAUSA.
Tenho agonia de quem usa como argumento dizer que tudo é mimimi, tenho preguiça de gente assim.
FIM DA PAUSA.

Lembrando que a maioria das pessoas que falavam que tudo era mimimi (no universo de pessoas do meu facebook) era constituída de homens héteros brancos. Não preciso falar mais nada a respeito desse grupo, ne? Eles nunca sofreram nenhum tipo de minorização (se é que essa palavra existe), não sabem o que é ser escanteado por valores "normais", são o grupo dominante e ponto. Fiquei tão louca com gente dizendo que "Há 80 anos as coisas eram assim e agora chega um grupo que quer mudar tudo" ou falando que "Quem é que vai lutar pelos direitos e pela representatividade da maioria(no sentido de não ser minoria)?" que não consegui me segurar e tive que entrar na discussão, mas sabe quando não adianta muito a gente falar? Porque tem gente que é tão cabeça fechada que até me dói o peito, não consegue enxergar além de seu próprio umbigo. Recolhi minhas palavras, torci pra que um dia as coisas mudem e fim da discussão.

Depois de um tempo, saiu o episódio de Game of Thrones em que Sansa é estuprada e, pra ser sincera com vocês, eu nem assisti ainda, mas já me deu tanta dor de cabeça que nem sei se quero. Então, surgiu a nova discussão: mimimi de feminista mal-comida que tem que polemizar tudo, até uma obra de ficção. Uma série cuja violência é predominante, que tem gente morrendo, gente matando, tem violência contra homem e mais natural do que tudo é ter contra mulher também, mesma coisa né? NÃO, com letras maiúsculas. Acho que a maioria das pessoas não entende o conceito de minoria, não entende toda a bagagem de violência e não representatividade que essa minoria sofre e carrega consigo durante séculos, assim como as mulheres.



Falemos um pouco de história. Na Grécia, Aristóteles que era um cara super inteligente, maneiro e tudo de bom achava que todo cidadão tinha o direito de votar, mas advinha só quem era cidadão? Com certeza não era mulher. Sabe qual era o pensamento da época? Caso o Estado ou qualquer um tivesse que escolher entre a vida de uma mulher e a de um homem, com certeza a do homem seria privilegiada, já que a vida de um homem valia mais do que a de uma mulher. Mulher? Que Mulher? O máximo de respeito que as mulheres conseguiram na época foi em Esparta, onde elas eram respeitadas não por serem mulheres mas por serem capazes de dar a luz guerreiros. Mulher? Que Mulher? Guerreiros! E estamos falando aqui de uma das sociedades mais avançadas da história e de um filósofo, vejam bem.

A submissão feminina não é recente, todo mundo sabe disso, assim como a luta diária contra essa realidade. Avançamos muito, não há como negar, porém relativizar discursos cujo teor ofensivo contra a mulher é predominante ou existente é negar, ignorar toda uma luta contra essa submissão. Comparar violência contra mulher a violência contra homem é, novamente, ignorar fatos, insensibilidade - sim - e egoísmo. E isso demonstra a cada dia mais como a sociedade como um todo está carente de uma palavra-chave em toda discussão acerca de minorias: empatia.

Muito fácil dizer que é melhor deixar os quadrinhos do jeito que eles estão quando você é o público-alvo dele, muito fácil dizer que é mimimi reclamar de uma cena de estupro em uma série quando não é você que está sujeito a ser estuprado a cada 10 minutos (Pausa) 10 MINUTOS (Fim da pausa). As pessoas tendem a esquecer que o mundo não gira em torno dos seus próprios umbigos, assim como eu sei que sou privilegiada por "só" ser mulher cis hétero e branca, sei que existem lutas muito maiores que a minha, sei que existem pessoas que sofrem muito mais do que eu. Só que eu não luto só por mim, não posso e nem devo. Preciso, tenho, DEVO lutar por todas as mulheres, seres humanos, secularmente negados aos seus próprios corpos, objetificadas, violentadas. E não posso aceitar calada que um discurso ignorante seja propagado de maneira desmedida, não posso aceitar o mesmo, não posso aceitar o preconceito, a ignorância.

Assim como minha professora disse, um discurso não é só um discurso, ele mobiliza, provoca reações (Lembremos de "Os sofrimentos do jovem Werther" e os suicídios). Então, não nos calemos diante da falta de respeito, do "tradicional", precisamos quebrar, sim, os paradigmas, estilhaçá-los. A luta não é fácil, não é curta, mas não nos calemos nunca e sigamos com a esperança de que as nossas netas e, quiça, as nossas filhas sejam tratadas de modo diferente, com empatia e respeito. E, novamente, nunca nos calemos, sejamos sim feminazi, mal-comidas e etc se isso significar que conseguiremos mudar algo. Esperança.



6 comentários:

  1. Oi Beatriz, também fico pra morrer com esses comentários absurdos que a gente lê por aí, carregados de preconceito e ignorância. Difícil MESMO não se manifestar. Acho que é por isso que estou cada vez mais me afastando de algumas redes sociais, infelizmente... Post maravilhoso!

    ResponderExcluir
  2. O mundo está se transformando em um lugar tão horrível que às vezes tenho vontade de comprar uma passagem só de ida pra Marte e por lá ficar. Mas como isso ~~ainda~~ não é possível, fico por aqui tentando combater esse tipo de coisa o quanto eu puder. Não fiquei sabendo dessa história da substituição da Viúva Negra pelo Capitão América, mas a história da Sansa acompanhei em primeira mão. Assim que terminei o episódio despejei meus sentimentos no Twitter e, pela primeira vez na minha vida, entrei numa briga no FB por conta da opinião desses homenzinhos babacas. É muita falta de empatia ficar sentado em seu pedestal de favorecido e dizer que todas as nossas reclamação e reivindicações são ~~mimimi~~ (também odeio quem usa "mimimi" no meio de uma discussão, tenho vontade de jogar o sapato na cara da pessoa). Já avançamos bem, claro que sim, mas a luta continua, e é todo dia. Força pra gente!! ♥

    ResponderExcluir
  3. Incomoda sabe?
    Sair dessa zona de conforto onde eles sempre tem a razão e são beneficiados em diferentes situações é horrível, então não só os homens brancos mas metade da população prefere deixar do jeitinho que está.
    Mas é bom ver que existem pessoas como você que simplesmente não se calam <3

    Novembro Inconstante

    ResponderExcluir
  4. PIOR coisa quando chamam de mimimi, como se o que disséssemos na luta por nossa liberdade fosse coisa de criança birrenta. Me dá uma coisa ruim aq dentro quando eu penso que é praticamente impossível não encontrar um homem machista, porque, do mesmo jeito que nós nascemos e crescemos nesse poço de objetificação e inferiorização de todo tipo (e nossas irmãs negras/trans/lésbicas de um jeito ainda pior), eles nascem e crescem com o pensamento e as ações de quem é mesmo superior pq são ensinados direta ou indiretamente a serem assim. É quase de suas naturezas, e isso me dá medo. Tipo, às vezes o cara tem uma atitude machista e nem se dá conta e às vezes é o mesmo cara que a gente admira por uma coisa ou outra ou até o mesmo cara que diz apoiar nossa causa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ps: respondendo a seu comentário no meu blog, eu escrevi aquele poeminha quando eu conheci esse seu canto, me inspirei no nome dele ^^ Tô te dando os créditos agora, hahaha

      Excluir
    2. aaanw que lindo!!! Amei isso, de verdade, sem palavras *-*

      Excluir