22 maio 2015

Sobre empatia e o dever de não se calar

Faz um tempo que ando incomodada com umas coisas, na verdade, com uma coisa só, em resumo: a ignorância. Já faz um tempinho que to querendo tocar nesse assunto novamente, por motivos de força maior (gente meio sem noção falando besteira a torto), mas sempre acho que falta algo, que tem gente mais incrível, gabaritada e etc pra falar sobre isso, mas resolvi recentemente que não posso me calar em frente a babaquices mesmo sendo eu. (Não sou dona da verdade, tenho muitos defeitos e não sou - nem de perto- especialista no assunto.) Esclareçamos os fatos:

Recentemente, saiu uma matéria falando que a Marvel trocou a Viúva Negra pelo Capitão América em "um brinquedo" - não sei qual o termo certo - que retratava uma cena em que, claramente, a Viúva Negra protagonizava e não o Capitão. Por isso, surgiram várias pessoas reclamando da falta de representatividade das mulheres em quadrinhos e etc e, de outro lado, vi gente falando que tudo que essas primeiras falavam era mimimi.

PAUSA.
Tenho agonia de quem usa como argumento dizer que tudo é mimimi, tenho preguiça de gente assim.
FIM DA PAUSA.

Lembrando que a maioria das pessoas que falavam que tudo era mimimi (no universo de pessoas do meu facebook) era constituída de homens héteros brancos. Não preciso falar mais nada a respeito desse grupo, ne? Eles nunca sofreram nenhum tipo de minorização (se é que essa palavra existe), não sabem o que é ser escanteado por valores "normais", são o grupo dominante e ponto. Fiquei tão louca com gente dizendo que "Há 80 anos as coisas eram assim e agora chega um grupo que quer mudar tudo" ou falando que "Quem é que vai lutar pelos direitos e pela representatividade da maioria(no sentido de não ser minoria)?" que não consegui me segurar e tive que entrar na discussão, mas sabe quando não adianta muito a gente falar? Porque tem gente que é tão cabeça fechada que até me dói o peito, não consegue enxergar além de seu próprio umbigo. Recolhi minhas palavras, torci pra que um dia as coisas mudem e fim da discussão.

Depois de um tempo, saiu o episódio de Game of Thrones em que Sansa é estuprada e, pra ser sincera com vocês, eu nem assisti ainda, mas já me deu tanta dor de cabeça que nem sei se quero. Então, surgiu a nova discussão: mimimi de feminista mal-comida que tem que polemizar tudo, até uma obra de ficção. Uma série cuja violência é predominante, que tem gente morrendo, gente matando, tem violência contra homem e mais natural do que tudo é ter contra mulher também, mesma coisa né? NÃO, com letras maiúsculas. Acho que a maioria das pessoas não entende o conceito de minoria, não entende toda a bagagem de violência e não representatividade que essa minoria sofre e carrega consigo durante séculos, assim como as mulheres.



Falemos um pouco de história. Na Grécia, Aristóteles que era um cara super inteligente, maneiro e tudo de bom achava que todo cidadão tinha o direito de votar, mas advinha só quem era cidadão? Com certeza não era mulher. Sabe qual era o pensamento da época? Caso o Estado ou qualquer um tivesse que escolher entre a vida de uma mulher e a de um homem, com certeza a do homem seria privilegiada, já que a vida de um homem valia mais do que a de uma mulher. Mulher? Que Mulher? O máximo de respeito que as mulheres conseguiram na época foi em Esparta, onde elas eram respeitadas não por serem mulheres mas por serem capazes de dar a luz guerreiros. Mulher? Que Mulher? Guerreiros! E estamos falando aqui de uma das sociedades mais avançadas da história e de um filósofo, vejam bem.

A submissão feminina não é recente, todo mundo sabe disso, assim como a luta diária contra essa realidade. Avançamos muito, não há como negar, porém relativizar discursos cujo teor ofensivo contra a mulher é predominante ou existente é negar, ignorar toda uma luta contra essa submissão. Comparar violência contra mulher a violência contra homem é, novamente, ignorar fatos, insensibilidade - sim - e egoísmo. E isso demonstra a cada dia mais como a sociedade como um todo está carente de uma palavra-chave em toda discussão acerca de minorias: empatia.

Muito fácil dizer que é melhor deixar os quadrinhos do jeito que eles estão quando você é o público-alvo dele, muito fácil dizer que é mimimi reclamar de uma cena de estupro em uma série quando não é você que está sujeito a ser estuprado a cada 10 minutos (Pausa) 10 MINUTOS (Fim da pausa). As pessoas tendem a esquecer que o mundo não gira em torno dos seus próprios umbigos, assim como eu sei que sou privilegiada por "só" ser mulher cis hétero e branca, sei que existem lutas muito maiores que a minha, sei que existem pessoas que sofrem muito mais do que eu. Só que eu não luto só por mim, não posso e nem devo. Preciso, tenho, DEVO lutar por todas as mulheres, seres humanos, secularmente negados aos seus próprios corpos, objetificadas, violentadas. E não posso aceitar calada que um discurso ignorante seja propagado de maneira desmedida, não posso aceitar o mesmo, não posso aceitar o preconceito, a ignorância.

Assim como minha professora disse, um discurso não é só um discurso, ele mobiliza, provoca reações (Lembremos de "Os sofrimentos do jovem Werther" e os suicídios). Então, não nos calemos diante da falta de respeito, do "tradicional", precisamos quebrar, sim, os paradigmas, estilhaçá-los. A luta não é fácil, não é curta, mas não nos calemos nunca e sigamos com a esperança de que as nossas netas e, quiça, as nossas filhas sejam tratadas de modo diferente, com empatia e respeito. E, novamente, nunca nos calemos, sejamos sim feminazi, mal-comidas e etc se isso significar que conseguiremos mudar algo. Esperança.



10 maio 2015

33 coisas que todo mundo deveria saber

Ou: Coisas que não mudarão sua vida v.2

1. Por que você costumava levar bronca quando criança?
Sempre fui uma criança modelo haha, bem certinha mesmo e quase nunca levava bronca. Porém, contudo, todavia, minhas irmãs conseguiam me tirar do sério e a gente brigava bastante, daí levava umas broncas, ficava uns minutos abraçada com uma delas, de castigo ou coisas parecidas. 

2. Qual foi a última vez em que você saiu sem rumo?
Não sei ao certo se foi quando vi o resultado do enem (quantas questões acertei) ou depois que vi a nota em si, mas foi por causa do enem que peguei um ônibus só por pegar e fui passear com ele. Às vezes faço dessas coisas, inclusive já disse por aqui que adoro andar de ônibus por isso.

3. Três objetivos para seu futuro…
Saber "exatamente" quem sou e o que fazer da vida.
Cofiar mais (em mim, na vida, no mundo)
Ser menos ansiosa



4. O que você encontraria se abrisse a geladeira neste exato momento?
Além dos produtos lácteos de sempre, encontraria um Iogurte maravilhoso sem lactose que comprei hoje e me deixou muito feliz. Um monte de tupperware (nossa, adoro essa palavra), porque minha mãe ama essas coisas (acho que toda mâe), frutas, uma geleia maravilhosa que to apaixonada e me casaria com ela em Las Vegas se ela fosse uma pessoa e etc.

5. Qual tecnologia ocupa mais o seu tempo?
Celular. Estava até refletindo sobre isso dia desses, diminuí muito minha leitura por causa do celular. Antes de dormir, ao invés de ler, muitos dias fico jogando candy crush ou simplesmente stalkeando as pessoas no instagram até o fim dos dias. Preciso rever essa situação.

6. Uma coisa usada que você comprou…
Um vestido. Participo de um grupo que está fazendo um bazar pra arrecadar dinheiro pra um Lar de idosos aqui em Recife, daí comprei algumas coisas, inclusive um vestido florido super fofo que tava a fim há um tempo.

7. Qual a primeira coisa que você faz ao acordar?
Fico tentando voltar no tempo pra poder dormir de novo. Acho que quando a gente dorme o tempo passa muito mais rápido e me recuso a aceitar isso, inclusive aproveito pra me recusar a não ter poderes, por isso toda manhã tento exercitar esse poder, quem sabe um dia né? Depois disso, protelo o máximo possível a hora em que levantarei, então fico vendo todas minhas redes sociais até a hora indesejável. 

8. Do que você precisa neste exato momento?

Preciso que amanhã seja domingo e depois de amanhã também.

9. Qual foi a última coisa que você leu, ouviu ou assistiu que te inspirou?
Um livro chamado "Fale!" e depois o filme que foi adaptado dele, "O silêncio de Melinda". Incríveis demais, principalmente o livro que me fez desenhar uma árvore de bocas no meu journal e me deu vontade de colocar na parede que to montando, cheia de quadros, um quadro pintado por mim mesma de uma árvore igual à capa do livro.  Amei demais esse livro, me tocou demais.

10. Um souvenir que você comprou ou ganhou…

Ganhei de uma amiga aqueles chaveiros da torre Eiffel, mas minha irmã quebrou o dito cujo e agora não tenho mais nada. Provavelmente é mentira. Também tenho um livro (?) que mainha comprou de presente pra mim quando tava em Curitiba, o que é bem louco, já que ela poderia ter comprado aqui e isso não é souvenir, mas meio que é, me deixem.


11. O que te deixa estressada?
Sou uma pessoa relativamente calma, pra me tirar do sério é bem difícil, mass não gosto quando: 
- me ignoram ou fingem isso (leonina)
- coloquem o dedo na minha cara (minha irmã)
- machismo (saio de mim, o que é bem engraçado até)
- cólica
- grosseria 
- esperar muito


12. Já morou em outro país além do Brasil?
Sim. No lindo mundo da imaginação, como diria a Rainha dos baixinhos. 

13. Você tem tatuagem?
Bem que eu queria, mas minha querida genitora, de forma bem carinhosa, disse que se eu fizesse ela me deserdaria. (Não posso me dar a esse luxo)

14. Qual foi a última coisa que você pesquisou no Google?
Como se escrevia Torre Eiffel hahahahahahaha To numa situação tão difícil pra mim, que sempre fui nerd, que é: estou esquecendo como se escrevem as palavras, inclusive palavras fáceis e totalmente comuns tipo arroz ?!???????????????!!!!!!!!!!!! (Isso me deixa louca). Me disseram que isso é normal depois que a pessoa sai da escola, logo eu que sempre fui a louca da gramática e que achava graça de quem escrevia errado, estou nessa situação horrorosa de apavorante. 

15. Qual a sua maneira de ser egoísta?
Acho que sou uma pessoa egoísta, em muitos aspectos. Talvez seja inconscientemente, mas é que gosto muito de ficar no meu mundo e aqui é tão confortável que cês nem sabem, daí talvez eu seja mesmo. Mas to num processo de mudar isso né? vocês têm notado esses meus passos pra sair do meu casulo e não é que eu goste de ser, inclusive luto com unhas e dentes pra ser cada dia menos.


16. O que demora demais?
Eu arrumar minha vida
A fome acabar

17. A última vez em que você ficou acordada durante a noite toda…
Fiquei stalkeando gente que não valia a pena, escolhendo filme bollywoodiano (são muitos, fico louca) por duas horas ou mais, escutando música no repeat e sei lá mais. 

18. Qual comida que todo mundo ama mas que você odeia?
Eu amo tanto comer que fica complicado responder essa pergunta.  Mas eu odeio tanto coco, sei lá se tem acento e nem quero saber porque odeio tanto esse treco, então, odeio torta de prestígio, nossa senhora que coisa horrorosa, tenho vontade de morrer só de pensar, mas as pessoas amam tanto e insistem em fazer esse negócio e levar pra festas de aniversário e eu fico lá com cara de caneca olhando praquele negócio horroroso. Sem vírgulas esse negócio todo porque fico embasbacada como todo mundo ama esse bolo.

19. O que você está vestindo agora? O que essa roupa diz sobre você?
Pijama. Diz que eu queria ser rica e, portanto, não precisar trabalhar e poder passar o dia todo assistindo série e filmes, comendo chocolate sem lactose, cheetos de requeijão e com uma biblioteca enorme na minha mansão cheia de gente ´pra pegar água pra mim, tudo isso deitada na minha cama gigante. 


20. Já fez amigos ou se apaixonou por alguém que você conheceu pela internet?
Já sim. Sou uma pessoa muito fácil de me apaixonar, mas amigos mesmo não, eu acho. Inclusive me "apaixonei" por um boy pelo instagram, a primeira vista, mas ele não me deu bola, o que foi bem chato pra dizer a verdade, mas ok.

21. O que te faz perder o sono durante a noite?
Pensar muito na minha vida.

22. Qual foi a primeira coisa que você comprou com seu dinheiro?
Primeira coisa significante mesmo, além de livros, foi o meu óculos Ray ban que comprei pela bagatela de R$ 499 reais, uma pechincha não acham? Tava doida no dia. 

23. O que tem na sua prateleira?
Livros. Inclusive estou precisando comprar uma estante maior, porque meus livros ficam nas prateleiras dentro do meu guarda-roupa, que consegui depois de muito argumentar com minha mãe, já que ela queria colocar lençóis lá onde agora estão meus livros. Mas não aceitei tal afronta, já que o guarda-roupa é enorme, tá no meu quarto e eu tenho direitos sobre ele, então depois de muito irritar, protestar e etc ela me "cedeu" duas prateleiras, só que as tadinhas não estão aguentando mais e ela não vai me ceder mais uma, fora de cogitação. 

24. Como você se acalma depois de um dia estressante?
Meu sonho era ter uma banheira, olha vocês nem sabem, mas o que me resta é uma piscina, que não é a mesma coisa, convenhamos. Então, eu tomo banho bem quente, arrumo a cama pra poder alisar meus pés no conforto dos lençóis arrumadinhos e deito com os pés molhados. 

25. Escreva sobre algo que você quebrou…
Quebrei minha xícara preferida da vida que dizia: "Diva não bebe, degusta" CHATEADÍSSIMA

26. O que você mais gosta de comer no café da manhã?
Eu a-m-o geleia com pão e presunto com iogurte sem lactose. 

27. Como quer que sua vida de aposentada seja?
Viajando pelo mundo com um boy mais novo, uma vista boa pra ler muitos livros e dinheiro pra ficar nos melhores hotéis. Mentira, também penso em uma vida no campo cheia de netos ao redor de mim, o que não sei como ocorrerá já que sou um desastre em relacionamentos, mas né sonhar não paga, muito desbocada, lendo muitos livros, dançando músicas aleatórias sem vergonha disso e feliz, principalmente. 



28. O que você leva em consideração ao votar em um partido político?
Não voto em partidos, voto em candidatos e analiso se o que a pessoa prega por aí está pelo menos um pouco de acordo com o que quero e acredito pra esse país, mas anda bem complicado escolher entre os que andam aparecendo. 

29. A religião é um fator importante na sua vida? Por quê?
Sim e não. Sim, porque ela me faz ser uma pessoa melhor, pensar nos outros, "amar o próximo como a si mesmo" e também porque ela, por causa do grupo de jovens que participo, me ajudou a ser menos tímida e a me impor mais em minhas opiniões e etc. Não, porque Jesus em nenhum momento pregou religião, mas sim o amor, então o que importa mesmo não é a qual Igreja frequento, mas o que faço com o que me é ensinado e dado em qualquer instituição religiosa que seja. 

30. Como está sua casa agora, limpa, suja?
Minha mãe é a louca da limpeza, já falei que ela precisa de tratamento pra TOC, mas teimosa que é ela não me escuta. O problema é que a casa é bem grande e ela não dá conta de tudo sozinha e também porque ela diz que a gente não pode ser um monte de vagabunda - eu e minhas duas irmãs - vivendo num hotel, então ela deixa umas coisas pra gente fazer, ou seja, essas coisas não estão muito organizadas. Mas, num contexto geral, minha casa está bem arrumada, ao contrário do meu quarto. 

31. Você não economiza quando o assunto é…
Livros. Eu amo comprar livros, não tem o estresse de ficar provando igual a roupa e ter a opção de não caber, nossa odeio provar roupa, e, além do mais, é maravilhoso quando eles chegam e tenho a sensação daquelas folhas na minha mão. Estava falindo, inclusive, e comprando loucamente por aí, me endividando - mentira - mas quase isso, então resolvi diminuir um pouco o ritmo. Pra falar a verdade, eu estava ficando viciada em comprar livros, comprava uns cinco todo mês e cada vez mais e mais. Enfim, gasto rios de dinheiro.

32. Você separa o lixo para reciclagem?
Pra falar a verdade, não. Sei que poderia fazer mais nesse quesito, mas Cristina - minha mãe- que cuida dessa parte aqui em casa. Já até propus essa situação, mas Cristina me deu uns foras e desisti. 

33. Sua sobremesa favorita?
Eu amo Bem-casado, embora recentemente tenha descoberto que sou intolerante a lactose, o que é bem chato e inconveniente, mas vida que segue. Também adoro milkshake (Chateada). Tiramisú também (Tudo tem leite nessa peste  ): )

Esse mundo sem lactose ):

Vi em tantos blogs que nem sei qual colocar como crédito, é isso aí. 

02 maio 2015

Há cinco meses não sou eu mesma. Tenho medo.
Choro. 
Grito. 
Cansada, me deito. 
Em nenhum lugar, em todo o lugar. 
O vazio me espreita. 
Sem querer, há o mundo. 

A imensidão de ser menos do que eu queria ser. 
A imensidão de (não) viver. 
Existir.
Respirar. 
O barulho. 
E o silêncio. 
O nada.
O tudo.

Eu. 
O (um) mundo. 



.