26 janeiro 2014

Reflexo (in)determinado

Me dispo.
O espelho me encara.
Aqueles olhos fundos e com olheiras me arrancam de dentro de mim.
E choro.
E grito.
Talvez as curvas daquele corpo sejam curvas de uma estrada abandonada, desgastada e esquecida.
Talvez eu seja a dor.
Talvez eu seja cada unha quebrada;
E o olhar fundo de quem nunca acreditou em nada.
Ou talvez eu seja apenas eu.
Eu, com cicatrizes.
Choros.
E mais nada.




8 comentários:

  1. Nossa, Beatriz. Eu realmente amei esse texto. Muito doloroso, muito visceral e muito bonito.
    Acho que tem potencial pra ser um poema.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Acho lindo quando textos focam mais nos detalhes ruins do que nos bons <3

    Novembro Inconstante

    ResponderExcluir
  3. Um reflexo de dor... um texto super forte e bonito, gostei!

    ResponderExcluir
  4. Lindo o texto. Gosto quando ele é escrito assim, quando passa a mensagem de dor.
    E adorei a imagem, combina com o texto.

    http://itsvintagedream.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Mas todo mundo que vive tem cicatrizes... todo mundo.

    ResponderExcluir
  6. Apenas você já é muita coisa!

    Palavras sofridas, porém, belas...

    O sofrimento, pra quem vê de longe, é bonito.



    Dani.

    ResponderExcluir
  7. que delicadeza linda pra falar do sofrimento... hoje mesmo eu tava estudando a escola literária do barroco e li um poema muito bonito do gregório de matos, sobre a efemeridade da vida. lembrei desse poema ^-^

    ResponderExcluir