26 janeiro 2014

Reflexo (in)determinado

Me dispo.
O espelho me encara.
Aqueles olhos fundos e com olheiras me arrancam de dentro de mim.
E choro.
E grito.
Talvez as curvas daquele corpo sejam curvas de uma estrada abandonada, desgastada e esquecida.
Talvez eu seja a dor.
Talvez eu seja cada unha quebrada;
E o olhar fundo de quem nunca acreditou em nada.
Ou talvez eu seja apenas eu.
Eu, com cicatrizes.
Choros.
E mais nada.




18 janeiro 2014

Dois mil e treze em cinquenta e um livros

Sinceramente, estou em dívida eterna com esse lugar aqui que eu costumo chamar de meu blog e com vocês, porque passou natal, passou ano, estamos em mais da metade de janeiro e eu não dei as caras por aqui pra falar nada e nem desejar nada a vocês. Mas, como vocês me conhecem - ou não -, vocês devem saber que sou preguiçosa mesmo, então, vou juntar pra falar tudo isso e mais um pouco num post só ahahah. 

Primeiramente, espero que seus respectivos natais tenham sido magníficos, porque o meu foi maravilhoso e cheio de presentes. Também espero que a virada de ano de vocês tenha sido cheia de coisas boas e espero que todos os planos e desejos que vocês fizeram, ou não, pra esse ano que já começou, se realizem inteira ou, pelo menos, parcialmente. Muita paz, amor, saúde, chocolate, livros e tudo de incrível que existe no mundo pra vocês, de coração. 

Outra coisa, eu realmente queria fazer um post falando desse ano, sério; juro que tem um no rascunho quase pronto, mas teve tanta coisa esse ano que toda vez que to escrevendo parece que falta algo, então não sei em que mês exato ele vai sair, mas vou me apressar, porque esse ano foi pesado e importante - de um jeito diferente e seria pecado não falar dele, até porque adoro ler posts desse tipo e adoro fazê-los também. 

Enfim, sem mais delongas, só pra não deixar dois mil e treze com inveja de dois mil e doze, vou fazer uma já habitual retrospectiva literária criada pela Taryne que faço desde 2011, acho. 




O casal mais apaixonante
Anna e Étienne, de Anna e o beijo francês: Sou clichê num nível tão avançado, porque quando li, logo de cara, morri de amores por esses dois. Babei, fiquei brava, torci por eles do começo ao fim. Meu coração palpitava, gente, quando esse garoto aparecia e a Anna falava dele. Fiquei tão apaixonada por eles que, quando terminei, fiquei uma semana mais ou menos em depressão, porque eu não era a Anna e achava que a vida era injusta demais por isso. Além disso, o amor deles foi construído tão bem e começou com uma amizade e cumplicidade tão bonita  - isso já contou um ponto comigo -, porque adoro histórias de amizade que terminam em namoro, que não teve como eu não me apaixonar. E, o mais importante, todo essa paixão na França. Como não morrer de amores? 
Menção honrosa: Rose e Dmitri, Lola e Cricket, Hermione e Rony, Cameron e Octavia.


Virei a noite lendo
Como não sou muito de dormir cedo e não preciso de muitas horas de sono, virei a noite com inúmeros livros. Mas, os livros que mais li num nível crazy hard foram os seis da série Vampire Academy, que li em cinco dias sem parar. Claro que eu dormi, mas quase sempre umas cinco, seis da manhã durante esses dias. Foi uma loucura tão grande que passei toda a semana só falando, pra todo mundo da rua e etc que quisesse ouvir ou não, o quanto eu estava viciada nessa coisa louca e o quanto eu shipava Dmitri e Rose num nível super, mas super acima do considerado normal. Já fazia um tempo que não fazia isso com nenhum livro, principalmente com uma série e foi tão sensacional que já to tentando começar o spin off por motivos de: isso é uma droga que me sacia e não quero uma reabilitação. É isso aí, sintam o drama da situação. 

Chorei de soluçar
Sou uma pessoa muito emotiva, muito mesmo e, normalmente, quando amo muito um livro é porque ele me toca na alma. Talvez, um dos livros que mais me tenha tocado esse ano e, consequentemente, tenha sido um dos mais sensacionais que li foi o Extraordinário. Então, como manteiga derretida assumida que sou, declaro que participar do crescimento do August e da sua autodescoberta foi muito pro meu coração, foi emocionante demais poder sentir um pouco dele, poder aprender com ele, mesmo que tudo tenha sido ficção. Extraordinário foi/é um livro que vai além de ser só uma história, ele é real, duro, e foi uma lição de vida pra mim. Por isso, tudo isso não me coube e eu tive de transbordar de um jeito, daí as lágrimas intermináveis. 

Decepção do ano
O mágico de Oz: Okay, posso ser crucificada por dizer isso, mas eu esperava tanto da história que originou o filme com a trilha sonora da minha vida que as minhas expectativas conseguiram tirar um pouco do brilhantismo todo dele. Talvez, a culpa tenha sido o momento em que li, porque ele é o tipo de livro que se encaixa comigo. Mas, infelizmente, não se encaixou naquele momento.  
As virgens suicidas:  Achei o modo como o Jeffrey escreve sensacional, muitas vezes parei no meio da leitura porque eu ficava pensando como ele tinha pensado tal construção de uma frase, mas a história em si não conseguiu me prender. Lembro que passava dias sem pegar no livro, mas quando pegava, ficava com esse sentimento de admiração pelas construções frasais. Só que não passou disso. 



Aventura, fantasia ou infanto-juvenil
Esse foi o ano que eu resolvi criar vergonha na cara e ler toda a série de Harry Potter e, admito, me arrependo de não ter jogado o preconceito de lado antes. Demorei muito pra adentrar nesse mundo de Hogwarts, mas, agora que entrei, não pretendo sair nunca. Todos os livros são tão fantásticos, a história é toda amarradinha, os detalhes desse mundo criado pela J.K são tão perfeitos que me senti no Beco Diagonal, no banco Gringotes (amor infinito por esse banco), no Cabeça de Javali com meu próprio copo, tomando uma cerveja amanteigada no três vassouras e etc etc. Foi tudo tão real que me pego sentindo saudades, vigiando corujas, possíveis dementadores e esperando, a tão famosa, carta de Hogwarts. Pretendo lê-la de novo e, caso eu tenha filhos, essa será uma série "obrigatória" na estante deles. 

Grifei
Talvez por me identificar tanto com o Cameron de um jeito que me fez ficar apreensiva ao me ver sendo retratada ali daquele jeito e perceber algumas coisas tão parecidas que tornaram-se assustadoras ao longo do livro, mas que conversaram comigo de eu pra eu e fizeram tudo parecer tão real e duro.  Não sei se dá pra entender isso. Mas, lembro, que quando estava lendo ele, até brinquei com minha mãe ao dizer que eu e o markus éramos a mesma pessoa, porque as semelhanças eram muitas pra serem apenas coincidência. Cada poesia. Cada palavra, cada verso. A dor do Cameron, a vontade de viver sua vida e tudo o mais, me fizeram grifar esse livro não só fisicamente (com post its), mas gravá-lo inteiro dentro de mim, por mais piegas que isso possa parecer.  A garota que eu quero.

O pior livro de 2013
Sem nem pestanejar, Bruxos e bruxas. Não conhecia o autor, mas pelo que li, ele é bem famosinho. E não entendo por quê ele é o que é, sinceramente, porque esse foi, se não "o", um dos piores livros que já li. Achei esse livro uma afronta imensa à inteligência das pessoas; mal escrito, mal desenvolvido, personagens pobres, história pobre, capítulos ridículos. Não consegui engolir um segundo sequer a trama, os dois narradores pareciam ser um só, tudo muito forçado. Fico me perguntando como uma editora publicou tamanha, pra ser gentil, droga (no sentido mais pejorativo). Vergonha alheia, mesmo. Menção honrosa: A última carta de amor, Extras.

Abandonei
O guia do mochileiro das galáxias. Olha, eu realmente tentei gostar, porque meu amigo falou muito bem da série e quase meio bilhão de gente ama, mas não consegui engolir. Não consegui passar do capítulo dez e eu me esforcei, sério. Achei tudo muito surreal, não consegui entrar no universo do livro como costumo fazer com livros de ficção científica. Ficava lendo e pensando "quanta coisa sem noção que não se encaixa". Por isso, não consegui. 

Bate-bola de personagens
Personagem masculino mais apaixonante: Sou uma pessoa que se apaixona facilmente por personagens, então a lista é grande: Cricket Bell de Lola e o garoto da casa ao lado, por motivos de meu coração não guenta esse homem; Dmitri, porque ele e Rose são uma coisa e ele é ele, sem mais; Adrian, porque sim (Os dois últimos de Vampire academy). Menção mais que honrosa ao homem da minha vida, minuto de silêncio porque ele não existe, Seth Cohen que não é de livro, mas tem meu coração.
Personagem feminina que eu queria ser: Por ser muito corajosa, leal e divertida, sem se fazer de vítima por tudo que ela tem de passar (muita coisa, acredite), Rose de Vampire academy
Personagem mais chato: Sempre achei ele um chato de galocha e todo mundo sempre babou ele, por isso, Frodo. E Lissa de Vampire academy, por ser uma mosca morta.
Personagem mais engraçado: Rony, porque ele é um desastre, fofo diga-se de passagem, mas um desastre ambulante. Tiny, porque gosto de personagem que tem esperança e, por isso, tenta deixar as coisas mais leves e alegres. E Adrian ♥.
Personagem mais identificável: Como já disse antes, Cameron foi minha alma gêmea esse ano. Mas, a Hermione também me fez lembrar bastante de mim e fico honrada, porque ela é uma das personagens mais legais e incríveis de todos os tempos.



Observação: Não respondi alguma categorias. 
Observação²: To preparando um post com muitos gifs e muito amor do seth 
Observação³: Livros que li em 2013: 
O herói perdido ; O filho de Netuno Divergente; Anjo mecânico; Cidade dos anjos caídos; Marina; A pirâmide vermelha; A última carta de amor; Harry Potter e a câmara secreta; Harry Potter e o prisioneiro de Azkaban; Harry Potter e o cálice de fogo; Persuasão; Harry Potter e a ordem da fênix; Harry Potter e o enigma do príncipe; Harry Potter e as relíquias da morte; Os contos de Beedle, o bardo; Quadribol através dos séculos; A extravagância do morto; Minha vida agora; O mundo mágico de Harry Potter; Contra um mundo melhor; A passagem; Extraordinário; Anna e o beijo francês; Por isso a gente acabou; Especiais; Morte súbita; O circo da noite; O teorema Katherine; Lola e o garoto da casa ao lado; Bruxos e bruxas; Cidade das almas perdidas; A marca de Atena; Extras; O senhor dos anéis: A sociedade do anel; Cidades de papel; A garota que eu quero; O senhor dos anéis: As duas torres; O azarão; Bom de briga;  O senhor dos anéis: O retorno do rei; Bela maldade; O mágico de Oz; O beijo das sombras;  Aura negra;  Tocada pelas sombras; Promessas de sangue; Laços do espírito; O último sacrifício; As virgens suicidas; Will/Will